Eclipse em NY teve falta de óculos especiais e bloqueio máximo de 70%

Por Marcelo Bernardes

Cópias de raio-x, bolacha água Tostines, folha de árvores com furos e escorredor de macarrão. Com óculos especiais esgotados em toda a cidade desde o começo da tarde de domingo (20), valeu de tudo para que os nova-iorquinos pudessem assistir ao eclipse solar de segunda (21).

Fora da “rota da totalidade”, faixa que cruzou os Estados Unidos e onde o alinhamento era perfeito para se ver o eclipse total (a temperatura nesses locais caiu em até 11 graus durante o pouco mais dos dois minutos em que a Lua passou entre a Terra e o Sol), a cidade de Nova York atingiu 71% do bloqueio parcial do sol.

O eclipse começou às 13h23 (14h23 no horário de Brasília), atingiu sua magnitude máxima às 14h44 (15h44) e o Sol voltou à sua visibilidade plena às 16h (17h). A umidade na cidade (a temperatura chegou a 31 celsius) deixou o céu carregado de nuvens, mas a visibilidade do eclipse não foi de toda comprometida, especialmente na parte sul da cidade, que teve leve brisa e foi bastante procurada por moradores locais e turistas.

Muitos funcionários faltaram do trabalho e várias festas foram organizadas em bares, especialmente os que funcionam na cobertura de prédios. Moradores de edifícios, com acesso ao terraço, também assistiram ao espetáculo cósmico com vista privilegiada. Os turistas que optaram em ficar na região central de Manhattan, como o Times Square, enfrentaram visibilidade comprometida, por causa dos inúmeros prédios.

Foram os parques da cidade que atraíram o maior número de pessoas. Deitados na grama com óculos especiais, os mais precavidos nova-iorquinos e muitos estudantes puderam assistir todas as duas horas de duração do eclipse. Em Washington, o presidente Donald Trump, como não podia deixar de ser, foi alvo de críticas na mídia social ao tentar (rapidamente) olhar diretamente para o Sol, sem o auxílio de um óculos especial. No zoológico de Nashville, cidade que ficava na “rota da totalidade”, com eclipse total, alguns animais ficaram desorientados. Pelicanos fugiram do lago e girafas começaram a correr em círculo. Abaixo algumas fotos do eclipse em Nova York.

 

Experimento com caixas de papelão em parque da região do Distrito Financeiro de NY. (Foto: Marcelo Bernardes)

 

A atriz Sonia Braga assiste ao eclipse ao sul de Manhattan. (Foto: Marcelo Bernardes)

 

Nem o pé quebrado impediu mulher de juntar-se aos amigos para ver o eclipse. (Foto: Marcelo Bernardes)

 

Irmãs usam tablete e celular para documentar o eclipse. (Foto: Marcelo Bernardes)

 

Parece o Woody Allen, mas não é. Pai e filho usam caixas de cereal para ver eclipse. (Foto: Sonia Braga, que também assina foto de abertura)

 

Mulher usa caixa de cereal para refletir o eclipse. (Foto: Marcelo Bernardes)

 

Eclipse nada oculto: amigas usam escorredor de macarrão para multiplicar efeito do eclipse. (Foto: Marcelo Bernardes)

 

Namastê! Durante o eclipse, casal pratica ioga. (Foto: Marcelo Bernardes)