Morre em Nova York, aos 65, criador do símbolo da causa LGBT

Por Marcelo Bernardes

Desde que surgiu numa manifestação gay na cidade norte-americana de São Francisco, em 1978, a bandeira do arco-íris, hoje símbolo do movimento LGBT mundialmente, nunca foi patenteada. Seu criador, Gilbert Baker, se recusou a registrar o símbolo, e a se beneficiar financeiramente dele. “Foi um presente para o mundo”, confidenciou a um amigo. Baker, que trocou a costa oeste americana por Nova York, onde morava desde 1994, morreu durante o sono, na madrugada de sexta (31), aos 65 anos. Seu corpo foi encontrado por um amigo, Cleve Jones, também defensor da causa gay.

Gilbert Baker, com sua criação. Ele morreu durante o sono. (Foto: Divulgação)

 

Baker criou a bandeira, que hoje também é emblema da inclusão e do movimento paz e amor, a pedido de Harvey Milk, líder gay de São Francisco. Milk queria um símbolo que representasse o movimento gay. A bandeira foi apresentada numa passeata de verão pelas ruas do bairro Castro, em 25 de junho de 1978. Cinco meses depois, Milk, juntamente com o prefeito da cidade, George Moscone, viria a ser assassinado por um rival, o político Dan White.

As primeiras bandeiras tinham oito cores berrantes, cada uma com um significado diferente. Pink para sexo, vermelho para vida, laranja representando o processo de cura, amarelo para o sol, verde para a natureza, turquesa como mágica, azul para a paz e harmonia, e púrpura significando o espírito. Um ano mais tarde, a bandeira foi redesenhada com apenas seis cores. O pink e turquesa caíram fora do design da bandeiras porque os tecidos daquelas cores eram mais caros na época.

Baker nasceu no Kansas e foi soldado. Depois de ter sido dispensado, com honrarias, pelo exército, decidiu aprender a costurar. Fazia vestidos e fantasias para um número performático, como drag queen, que apresentava na noite de São Francisco.

Um ano depois de ter criado a bandeira, foi trabalhar na empresa que a fabricou em massa para todos os EUA. Mas decidiu deixar a companhia para trabalhar em arte e design. Mudou-se para Nova York mais tarde. No final da tarde de 36 de junho de 2015, quando a Suprema Corte americana legalizou o casamento gay nos Estados Unidos, 26 milhões de usuários do Facebook criaram uma foto para o perfil que incluía as cores da bandeira. O presidente Barack Obama ordenou que a cores do movimento LGBT iluminassem a Casa Branca naquela noite histórica de 2015.

As cores da bandeira gay iluminaram a Casa Branca na noite do dia 26 de junho de 2015, quando a Suprema Corte votou a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo nos EUA. (Foto: Pete Souza)

No ano passado, Baker criou várias bandeiras para a minissérie gay da rede ABC, “Nossa Luta” (When We Rise, no original). O programa, exibido nos EUA e Brasil recentemente, foi criado por Dustin Lance Black, o roteirista vencedor do Oscar pela cinebiografia de Harvey Milk, “Milk – A Voz da Igualdade”, estrelada por Sean Penn em 2008.

Baker também vinha trabalhando num projeto de criar 39 bandeiras com as oito cores originais, mais uma extra, lavanda, para representar diversidade. Elas seriam apresentadas durante o aniversário de 39 anos da bandeira, em junho.

 

O ator T.R. Knight em cena da minissérie sobre a causa gay “When We Rise”. (Foto: Eike Schroter/ABC)