‘New York Times’ chama novo ‘Star Wars’ de “medíocre”

Por Marcelo Bernardes

Em sua resenha disponibilizada no começo da tarde desta terça (13) no site do jornal “The New York Times”, o crítico-chefe da publicação, A.O. Scott, chamou o filme “Rogue One – Uma Aventura Star Wars” de “medíocre”. “Milhões de pessoas vão assistir a esse filme minuciosamente medíocre e convencer-se de que ele é perfeitamente encantador. É muito mais fácil obedecer do que resistir”, escreve o crítico. Scott diz que o comandante da produção, o inglês Gareth Edwards, “dirige com competência básica” e chama o roteiro escrito por Chris Weitz e Tony Gilroy, ambos também diretores conhecidos em Hollywood, de “surpreendentemente inferior”.

O crítico diz que a primeira trilogia “Star Wars” era pura, de insurgente energia, e muito divertida. Mas que agora, com a opção do estúdio Disney de imaginar novas ramificações ao universo criado pelo diretor George Lucas no final da década de 70, “começamos a ter a impressão de um trabalho servil, uma apostila escolar para um curso que não tem um emprego muito útil e que nunca irá terminar”.

Felicity Jones e Diego Luna em cena da nova aventura "Star Wars" (Foto: Divulgação)
Felicity Jones e Diego Luna em cena da nova aventura “Star Wars” (Foto: Divulgação)

Para Scott, todos os elementos dessa nova história são como “peças de um quebra-cabeças da Lego”. Mas o problema, segundo o crítico, “é que os responsáveis pelo filme jamais se incomodaram em pensar em algo interessante para fazer com elas”. E acrescenta: “qualquer duplinha de garotos de 9 anos, numa tarde chuvosa de sábado, desenvolveria aventuras melhores, e provavelmente melhores diálogos”.

Scott não malha o filme por completo. Ele reserva elogios para o elenco liderado pela atriz inglesa Felicity Jones, que ele chama de “maravilhoso”. Também aprova o novo robô de “Star Wars”, o K2SO. “Seus tons secos e sarcásticos são feitos pelo indispensável (ator) Alan Tudyk”, escreve o crítico.

O estúdio Disney, que lança “Rogue One” a partir de amanhã (14) em vários países, espera faturar internacionalmente um total de US$ 280 milhões a US$ 350 milhões nos próximos cinco dias.