Ellen Barkin é mamãezinha querida em série baseada em filme australiano

Por Marcelo Bernardes

Em 2010, o australiano David Michôd se transformou numa revelação do cinema mundial ao dirigir seu primeiro filme, “Reino Animal”, o qual ele também escreveu o roteiro. Pelo papel de Janine “Smurf” Cody, a matriarca de uma família de jovens e fotogênicos criminosos da cidade de Melbourne, a atriz australiana Jacki Weaver foi reconhecida, um ano mais tarde, pela Academia de Hollywood, conquistando uma indicação para o Oscar de melhor atriz coadjuvante (ela perdeu para Melissa Leo, pelo “O Vencedor”).

Na noite de terça, a rede de televisão TNT apresentou a versão americana dessa “mamãezinha querida e sociopata” no novo seriado “Animal Kingdom”, baseado no filme de Michôd e com produção-executiva do diretor John Wells (de “The West Wing”) e do produtor Jonathan Lisco (ambos trabalharam juntos em “Southland”). Janine que, enquanto prepara uma tigela de guacamole, sucos de fruta ou assa muffins, manipula e controla toda sua prole de homens tatuados, bronzeados e com tanquinhos é interpretada por Ellen Barkin, a atriz nova-iorquina que fez vários “sexy thrillers” na década de 80 e, hoje, aos 62 anos, ainda continua sedutora e perigosa. A mãe é mais uma daquelas ótimas personagens a engrossar a boa fase que as atrizes vêm experimentando em programas de TV e novas plataformas on-line em recentes anos.

Ellen Barkin e o ator Finn Cole, avó sociopata e neto recém-órfão, no seriado "Animal Kingdom" (Foto: Eddy Chen/TNT)
Ellen Barkin e o ator Finn Cole, avó sociopata e neto recém-órfão, no seriado “Animal Kingdom” (Foto: Eddy Chen/TNT)

“Animal Kingdom”, cujos dois primeiros episódios foram dirigidos por Wells, começa exatamente como o filme original. Uma dupla de paramédicos chega a um apartamento esculhambado. No lado direito do sofá está sentado Josh Cody, ou apenas J, (Finn Cole), um garotão de 17 anos. A mãe dele aparece imóvel do outro lado. Os paramédicos nem têm chances de reanimá-la. Ela já estava morta, vítima de overdose de heroína. Para Josh só resta ligar para a avó materna, da qual ele vivia afastado, sem manter nenhum contato, por 11 anos. Janine chega ao apartamento da filha morta e resgata o garoto, levando-o para sua ampla casa em Oceanside, cidade costeira da Califórnia, onde ela vive com os quatro filhos criminosos. Os quatro brutamontes executam roubos de joalherias, vivem desconfiando um dos outros, e são verdadeiros bullies quando surfam as ondas do Pacífico.

Eles são interpretados por Ben Robson, Jake Weary e Shawn Hatosy. O quarto filho, adotivo, é feito por Scott Speedman, o galã do seriado “Felicity”. Apesar da boa performance de Hatosy, o quarteto de irmãos está longe de recriar os excelentes personagens que foram dos atores australianos Ben Mendelsohn, Joe Edgerton, Sullivan Stapleton e do canadense Luke Ford. Os novos irmãos, porém, não dão trabalho nenhum à figurinista da série: aparecem sem camisa durante boa parte da história.

Três dos filhos criminosos de Barkin, interpretados pelos atores Ben Robson, Scott Speedman e Jake Weary. (Foto: Eddy Chen / TNT)
Três dos filhos criminosos de Barkin, interpretados pelos atores Ben Robson, Scott Speedman e Jake Weary. (Foto: Eddy Chen/TNT)

O problema da série é a encheção de linguiça. Ao contrário de “Fargo”, outra produção cinematográfica que virou série, mas com novas histórias, “Animal Kingdom” estende a mesma trama de quase 120 minutos para mais de dez horas de ação. Por conta disso, existe uma grande ênfase nas cenas gratuitas de sexo e até uma subtrama gay. O jornal The New York Times, que fez uma crítica negativa em sua edição de terça (14), diz que a série é um híbrido dos valentões de “Sons of Anarchy” com a suavidade da sensação teen “The O.C.”. O seriado também lembra os livros do escritor Don Winslow, cujo “Selvagens”, de 2012, foi adaptado pelo próprio autor para o cinema e dirigido por Oliver Stone. Por enquanto, mesmo que a série ainda não tenha engrenado – falta aparecer o policial que tenta salvar J da perdição dos tios e da avó (no original feito pelo ator Guy Pearce) -, ela vale apenas pelo talento de Ellen Barkin.

Shawn Hatosy faz papel do irmão diabólico Andrew, interpretado no filme original por Ben Mendelsohn. (Foto: Eddy Chen/TNT)
Shawn Hatosy faz papel do irmão diabólico Andrew, interpretado no filme original por Ben Mendelsohn. (Foto: Eddy Chen/TNT)