Seriado apresenta teoria para a ‘falta de miolos’ dos políticos americanos

Por Marcelo Bernardes

Na primeira cena de “BrainDead” (Morte Cerebral), novo seriado do casal de produtores e roteiristas Robert e Michelle King, criadores do recém-encerrado e popular “The Good Wife”, e exibido segunda (13) na TV americana, a tela mostra a zorra em que se transformou a primeira fase da atual corrida à Casa Branca. Simultaneamente, a TV exibe discursos raivosos dos pré-candidatos Donald Trump (Partido Republicano), Hillary Clinton e Bernie Sanders (do lado democrata). São ataques pessoais, comentários racistas e muita demagogia. Em 2016, diz uma frase de alerta que surge na tela, “existe um sentimento gradativo de que as pessoas (em Washington) estão perdendo a cabeça”. E o casal King apresenta a causa: insetos estão comendo os miolos dos políticos americanos.

Screen Shot 2016-06-14 at 12.35.04 AM
Cartaz do seriado “BrainDead”, lançado segunda (13) nos EUA. (Foto: Divulgação)

Esses insetos, que invadem a capital americana, vieram do espaço. Não via nave espacial. A chegada deles toma emprestado um acontecimento que realmente aconteceu em fevereiro de 2013. Tudo documentado em posts no YouTube e assistido por milhares. Um meteorito cortou o céu da Rússia e uma rocha de um metro e meio de diâmetro foi parar no fundo do lago Chebarkul, na região da cidade de Chelyabinsk. Durante o traslado (fictício) para os Estados Unidos, onde ia ser analisada, a rocha libera os tais comedores de cérebro.

“BrainDead” é um seriado três-em-um: parte comentário político, parte comédia, parte ficção-científica. Trata-se de um casamento entre “Veep”, “Walking Dead” com os noticiários da CNN. O primeiro dos 13 episódios totais do programa é fraco e menos dinâmico na parte da sátira política. “Veep”, com Julia-Louis Dreyfuss como a vice-presidente americana inexpressiva que se torna líder da nação, dá de 10 a zero. Mas a história é curiosa e original o suficiente para que o espectador continue assistindo.

A atriz Mary Elizabeth Winstead (do filme “Rua Cloverfield, 10”) interpreta Laurel Healy, cineasta que perde o investimento durante a preparação de um documentário sobre um coral de música religiosa nas Ilhas Salomão. O pai promete levantar o dinheiro para as filmagens, desde que ela se mude de Los Angeles para Washington e, por seis meses, trabalhe no gabinete do irmão Luke (Danny Pino), um senador democrata.

(Foto: Divulgação)
Assessor republicano (Aaron Tveit) e democrata (Mary Elizabeth Winsted) se unem para investigar comportamento errático de políticos. (Foto: Divulgação)

Já em suas primeiras 24 horas na capital americana, a documentarista lida com a maior crise política da cidade. Democratas e republicanos discordam sobre o orçamento da união e um shutdown (paralisação) deixa 100 mil funcionários públicos sem trabalho e pagamento. Gareth (Aaron Tveit), chefe do gabinete do ultra-conservador senador republicano Wheatus (Tony Shaloub) apresenta solução para conter o impasse: Laurel tem que convencer o irmão democrata a apoiar um projeto de US$ 48 milhões para estudos sobre o autismo.

O democrata acaba aceitando mas, na véspera dos dois partidos assinarem acordo e colocar um ponto final no gridlock político, os insetos alienígenas invadem o apartamento do senador republicano. Eles entram por uma orelha e empurram o cérebro dele por outra, até o órgão cair no travesseiro e rapidamente virar líquido gosmento e alaranjado. De beberrão e demagogo, o agora desmiolado senador Wheatus fica saudável, se libertando do alcoolismo. Ele também passa a ficar focadíssimo, mais implacável e maquiavélico em suas armações políticas. E o acordo vai para o brejo. Desconfiados de que as pessoas em Washington estão bem estranhas, ambos Laurel e Gareth decidem investigar o que está acontecendo.

(Foto: Divulgação)
Tony Shaloub interpreta o senador republicano cujo cérebro é eliminado por insetos alienígenas (Foto: Divulgação)

Como “The Good Wife”, “BrainDead” também conta com produção-executiva do cineasta inglês Ridley Scott, um dos mestres do sci-fi moderno. A série é uma homenagem a um dos maiores clássicos da ficção-científica de Hollywood: “Vampiros de Almas”, dirigido por Don Siegel em 1956, e que teve três remakes, o último deles, “Invasores”, de 2007, foi fiasco dirigido pelo cineasta alemão Oliver Hirschbiegel e estrelado por Nicole Kidman e Daniel Craig. Em entrevista ao jornal USA Today de segunda (13), Shaloub comentou a mensagem trazida por “BrainDead. “Acho que o seriado ilumina o problema do extremismo na política. Como uma nação, temos que encontrar um jeito de reconciliar e remediar isto”.