Filha de imigrantes é aceita nas melhores universidades dos EUA

Por Marcelo Bernardes

Augusta Uwamanzy-Nna, 17, tem uma difícil decisão a tomar até 1o. de maio: escolher que universidade cursar. Essa filha de imigrantes nigerianos, baseada em Long Island, Nova York, conquistou um raro feito: foi aceita por todas as escolas da Ivy League, grupo que designa as oito melhores universidades dos Estados Unidos – Columbia, Princeton, Harvard, Yale, Brown, Cornell, Darmouth e Pensilvânia. Augusta também foi aceita pelo Instituto de Tecnologia de Massachussetts, o MIT, e pelas universidades de Nova York e John Hopkins.

A estudante (Foto: Divulgação)
A estudante Augusta Uwamanzy-Nna. (Foto: Divulgação)

A conquista de Augusta tem sabor especial para a escola ginasial da cidade de Elmont, em Long Island. Trata-se do segundo ano consecutivo em que um aluno da escola foi aceito por todas as universidades da Ivy League. No ano passado, Harold Ekeh, também filho de imigrantes africanos (de Gana) e amigo de Augusta, teve decisão similar a fazer. Ele acabou optando pela Universidade de Yale, em Connecticut.

Augusta ficou sabendo do feito enquanto participava de uma partida de badminton. “Corria pelo ginásio esportivo chorando de felicidade. Foi uma estranha combinação”, ela explicou. Ao dar a notícia para a mãe, por telefone, precisou desligar rapidamente. “Ela gritava tanto que meu ouvido doeu”.

Em entrevista a rede de TV ABC, Augusta diz que suas principais qualidades são “tenacidade e persistência”. Ela explicou que sua família a ensinou a ser confiante, mas também manter a humildade. Augusta visitou a Nigéria várias vezes com os pais. “Vi que meus primos não têm a mesma oportunidade que eu. Então, definitivamente, qualquer coisa que faço, quero que crie um impacto na Nigéria.”

A paixão de Augusta é a ciência. No começo do ano, ela foi uma das três finalistas de Long Island a fazer parte de um grupo de 40 estudantes selecionados para a Intel Science Talent Search, a mais prestigiada competição de ciência nos Estados Unidos. Sua pesquisa, não premiada no evento, que aconteceu em março, foi sobre como o cimento pode ajudar a prevenir plataformas petrolíferas de sofrerem rupturas.

Na semana passada, Augusta recebeu um convite para visitar a Feira de Ciências da Casa Branca, que acontece dia 13 de abril e tem cerimônia apresentada pelo presidente Barack Obama.

A estudante diz que o custo da universidade vai acabar sendo o mais importante aspecto a ser considerado em sua decisão final.