Após Veneza e Toronto, “Boi Neon” chega a festival do MoMA

Por Marcelo Bernardes

O filme “Boi Neon”, de Gabriel Mascaro, foi selecionado para a 45a. edição da prestigiada mostra “New Directors, New Films”, organizada pelo departamento de cinema do Museu de Arte Moderna de Nova York, o MoMA. O line-up preliminar da mostra, exibida entre 16 a 27 de março, conta com filmes de 13 países. O ND/NF privilegia o primeiro ou segundo trabalho de cineastas emergentes nos Estados Unidos e ao redor do mundo. No passado, a mostra apresentou ao público trabalhos de Steven Spielberg, Pedro Almodóvar, Wong Kar-wai e Spike Lee. Mais recentemente, introduziu nomes que estão ficando incensados pela crítica como os da cineasta australiana Jennifer Kent (do terror “The Babadook”), do jordaniano Naji Abu Nowar (cujo filme Theeb foi indicado para o Oscar de melhor produção estrangeira do ano) e do americano J.C. Chandor (“Margin Call – O Dia Antes do Fim” e “O Ano Mais Violento”).

Cena
Juliano Cazarré em cena de “Boi Neon” (Divulgação)

“Boi Neon”, que foi premiado nos Festivais de Veneza e Toronto, tem história passada nos bastidores das vaquejadas, competição comum no Nordeste em que dois homens a cavalo emparelham e tentam derrubar um boi. O protagonista é Iremar (Juliano Cazarré), que trabalha asseando os bois do torneio e, em suas horas vagas, sonha em ser estilista de moda. Em sua apresentação para o line-up, o time de seleção do MoMA diz que “Boi Neon” é “compassivo aos temas de sexualidade e classe social” e “que culmina em uma das mais audaciosas e memoráveis cenas de sexo da história recente”. “É um estudo humano e sensual de corpos em movimento”.

Entre os outros filmes selecionados estão: “Behemoth”, do chinês Zhao Liang; “Demon”, do polonês Marcin Wrona (que se suicidou em setembro do ano passado); “The Fits”, da americana Anna Rose Holmer; “Bela e Perdida”, do italiano Pietro Marcello; e “Thithi”, do indiano Raam Reddy.