Michael Moore volta à cidade natal para protestar contra crise de água

Por Marcelo Bernardes

O cineasta Michael Moore, 61, o filho mais ilustre da cidade de Flint, no estado americano do Michigan, voltou na tarde deste sábado, 16, ao local onde cresceu para liderar um protesto, denunciado o descaso, além de implicar as autoridades locais, a uma das maiores crises de contaminação de água dos Estados Unidos.

Em 2014, enquanto desenvolvia um projeto de renovação de sua tubulação subterrânea, a prefeitura de Flint, município onde a General Motors foi fundada, trocou sua fonte de abastecimento de água, que era feita via o lago Turon, que também abastece a cidade de Detroit, pelas águas locais. O problema é que a água do rio Flint é corrosiva, repleta de chumbo, e a cidade, para economizar, optou por não usar aditivos químicos adequados, que poderiam tornar a água que saia das torneiras mais segura.

Moradores começaram a reclamar que a água cheirava à urina e esgoto. Testes feitos a partir do sangue colhido de duas mil crianças locais indicaram uma forte presença de chumbo no organismo delas. “A infraestrutura de água desta cidade foi destruída. Ela foi destruída pelo governador do estado”, disse Moore aos manifestantes.

O diretor do documentário “Tiros em Columbine”, que venceu o Oscar da categoria em 2003, pediu a prisão do governador do estado do Michigan, Rick Snyder, alegando negligência. Moore também insistiu pela presença do presidente Barack Obama, que vai visitar uma feira de carros em Detroit, na quarta-feira, 20, para que inclua a cidade, que fica a uma hora de distância de Detroit, em sua agenda.

Em sua conta no Twitter, para convocar a população local para juntar-se a ele no protesto, Moore postou uma foto segurando um par de algemas e uma folha de papel com o hashtag “arrestgovsnyder” (prenda o governador Snyder). O governador Snyder, que disse que tomou as medidas necessárias assim que soube dos problemas na região, está sendo investigado. Na segunda-feira, 11, ele fez um pedido de desculpas à população local, que enfrenta a crise por dois anos.

Na tarde de sábado, 16, o presidente Barack Obama decretou estado de emergência na região, autorizando ajuda federal à cidade, com a distribuição gratuita de filtros e garrafas de água durante um período 90 dias. Doações de água potável estão vindo de todos os lados. A cantora Cher doou 181 mil garrafinhas plásticas de água.

Apesar de o abastecimento de água da cidade de 100 mil habitantes ter voltado ao sistema original de Detroit, especialistas dizem que pode-se levar mais de um ano para que a população de zonas periféricas do município possa beber normalmente a água que sai das torneiras. Em Flint, 41% da população se encontra abaixo da linha da pobreza.