Juiz não libera americano detido por filmar policial estrangulando homem

Por baixomanhattan

Ramsey Orta, 23, fez o vídeo abaixo que mostra um homem negro sendo detido, jogado ao chão e estrangulado pela polícia em Nova York. Eric Garner, enquanto era estrangulado, gritava: “Não consigo respirar. Não consigo respirar”, como mostram as imagens registradas por Orta. Ele morreria segundos depois (são imagens fortes).

Nove meses se passaram e não apenas os policiais envolvidos na cena não irão a juri, notícia que rendeu manifestação popular pelas ruas de Nova York há alguns meses, mas a única pessoa presa até aqui é Orta, que foi detido em fevereiro sob alegação de “porte de drogas” (a família diz que as acusações são falsas).

Antes de ser preso Orta deu várias declarações à imprensa, uma delas à revista “Time”, dizendo que estava sendo perseguido e ameaçado pela polícia.

A fiança de Orta foi estipulada em 40 mil dólares, e o dinheiro foi arrecadado através de doações via internet, mas ainda assim Orta não foi liberado porque o juiz disse nessa quinta-feira, 9 de abril, que precisaria investigar se o dinheiro havia sido arrecadado legalmente. Orta ficará pelo menos mais uma semana detido.

No dia 6 de abril um outro vídeo causaria estragos à polícia americana, mas dessa vez elevaria o cinegrafista amador à categoria de heroi.

O americano Feidin Santana, 23, estava passando pela rua em Charleston, Carolina do Sul, quando viu um policial deter um homem negro. Ele parou, começou a filmar e registrou as imagens que mostram o policial dando oito tiros pelas costas em Walter Scott. Santana não entregou o vídeo à polícia imediatamente porque queria ver o que o noticiário falaria sobre o crime, mas quando percebeu que a verdade não seria revelada, entregou as imagens.